quarta-feira, 31 de julho de 2013

já decorou a cor do seu sorriso hoje?

nos lábios, amargos ou azedos? 
qual o doce, sabor ou dissabor dos teus lábios pela manhã? 
suco de abacaxi com hortelã, adoçante, mel,
panquecas, morangos, café, capuccino 
uma poesia que rime? 
apenas água, talvez um chá, há gosto de pressa! 
você está atrasado... não dá tempo pra rapidinha. 
nem pra uma punheta no chuveiro. 

qual a cor do céu, das nuvens, da luz, das poeiras, das estrelas, da Lua? 
qual a cor do teu beijo, teu cheiro, teu vinho, teu corpo, tua vida?
qual o sabor da tua roupa, do teu dinheiro, do teu ingresso de cinema, da boca da tua namorada?
qual o jeito de agir, de amar, de lamentar, de sentir, de gozar?

de quem é o silêncio do teu silêncio? 
de quem é o teu rosto, tua coxa, tua bunda, teus seios, tuas mãos, teus cabelos, tua nudez?
de quem é a tua costela, teus rins, teu fígado, teu pulmão?
de quem são os teus pés e costas e pelos?

pra quem são teus gemidos, teus suores, tuas lamentações?
pra que lê estes livros, vê esta televisão e torce pro timão?
pra quem são tuas cartas cheias de perfume que não envias a ninguém?

pra quem são teus sorrisos quando sem planos vão além?
já decorou a cor do teu sorriso hoje?
ou ainda não terminou o script do teatro de amanhã?

terça-feira, 30 de julho de 2013

sinto teu cheiro

pára de me atormentar
sei que te pedi pra ficar
e num ne me quitte pas
reste avec moi
repeti uma canção que
gostava pra assobiar

mas não aguento mais
me algemar nas tuas mãos ansiosas
e escapar a cada silêncio teu
em cada momento
opressor da minha verdade
me abraça
não foge
ne me quitte pas
reste avec moi

não aguento mais esse
francês desafinado
que por medo de amar
tu me proibistes de dançar



segunda-feira, 29 de julho de 2013

morra

e não chegue perto de minha pequena. Não desfaleça o seu pau dentre as pernas dela e não se aconchegue em seu colo manso. Tu és, meu caro, responsável por aquilo que cativas! És responsável por ela e pelo sentimento que nela você cativou. Frouxa e apaixonada, emergiu em teus braços, mentirosos ou não, medrosos, afogados de mel mofado que esgotou-se por desprezo ou amor sufocado. Mas a quem sufoca se não a ti mesmo, pois você irá ser sufocado com essa tua insegurança burra de moleque. Assuma isso à homem, resolva isso à homem, como pretende-se chamar, pois se usa esse teu falo pra comê-la, pode muito bem assumi-lo com a responsabilidade de amá-la.

É fácil dar-lhe tais coisas, é mais difícil ainda fingir não senti-las. Procure-a em sonhos, se desculpe e foda-a de novo, milhares de vezes ou não. A quem envenena se destina o próprio veneno. Derrotado por si mesmo, o pau pesa e Freud explica. Tu não és homem, não sei quem tu és, mas isso não assume ser. Não pode assumi-lo, se és tão incapaz de amar tal pequena! Se é incapaz de enxergar nela a busca dos teus anseios e vejo, sem ao menos conhecê-lo, que não será capaz de enxergar isso em qualquer outra mulher, pois você não se sente homem. Talvez o teu pau seja pequeno, talvez sejas impotente. Mas não dissimule assim a não amá-la, tolo. Pois a ama. 

Filho da puta, você é responsável por aquilo que cativas, portanto, se deixaste florescer nela o tesão, o âmago, a vontade, sem ser ela louca imprudente, já que você prometeu a ela, cumpra! Faça o teu papel de homem. E não dissimule mais a quem já dissimulou. Não prometa coisas que este teu falo não possa cumprir. Não ponha o teu sêmen em jogo, se és incapaz de ejaculá-lo. Não diga orgasmos, não faça sexo verbal com uma mulher que não poderá te pertencer. 

Você é fraco. Frouxo. Não deveria ter prometido a ela amor, se és incapaz de senti-lo por si mesmo. É tão mais fácil confiar em uma puta do que em você. A honestidade da puta em pedir dinheiro em retorno desfalece com a tua honestidade prepotente, incompetente. 

Estupidez dela ou não, o sentimento perdura, tanto em ti quanto nela. O que te espera do mundo? Alguém aplaudir tuas covardias ou dar-te um mérito com a tua fragilidade? A tua pedância morre com as minhas palavras. A tua pose desfalece, a tua máscara cai, pois te desmascaro. Deixa-te pensar que tem o controle das tuas escolhas, do teu sentimento, mas você não acredita nisso. E pensa nela ainda, imagina as coisas que dirá a ela. Fuja, corra, mas morra engasgado com os beijos na boca dela com o veneno que você propôs. E entenda de uma vez por todas que perdestes a oportunidade de viver, finalmente, longe da tua existência insignificante. 

"If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won"

If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won.If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won.If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won. If I only had an enemy bigger than my apathy I could have won.

pinte o céu na minha varanda

Essa noite sonhei como se sonhasse um filme de realismo fantástico. "A Espuma dos Dias" de Boris Vian que não conseguirei ler por falta de grana. Eis que o cenário desdobrava-se assim, com relatos irei a medida que lembrar deles, portanto, talvez essa descrição saia tão incoerente e irreal quanto o sonho. Tentarei deixá-lo palpável e distante, a meu próprio gosto, pois fodam-se os inebriados a quem interessados lerem. Também ao fato de que, literalmente, saltei do sonho para vir contá-lo como a tola contadora de histórias que sou. 

Estava calor, era o Rio de Janeiro, porém, longe de qualquer lugar onde já estive por lá. Festa de família, todos eles. Lugar aberto, como uma casa velha de madeira encanecida de piso frouxo e nada confiável. A mais parecia um bar rústico e na minha memória agora, não no sonho exatamente, acrescentaria umas luzes de Natal sobre a televisão e o aparelho de som em cima do balcão. Havia calabresa frita para comermos e a medida do sonho, não conseguia de jeito algum comê-la. Portanto, tirei da boca e comecei a parti-la em miúdos pedaços nostálgicos, como um passarinho solitário, e finalmente consegui comer o tal pedaço de comida. 

Chegaram alguns conhecidos da família. Dentre eles, uma criança que veio logo procurar por um afeto, um colo meu. Dei-lhe o tal colo, mas era um colo pesado, pois o peso da criança derrubou-me frágil no chão. Fui repreendida pelo colo, como se errado fosse dar-lhe carinho. Portanto, deixei-a sentada em meu colo. Mas a criança fugiu dele. 

Fui bebendo coragem o sonho inteiro para distanciar-me da família e sair daquele bar/casa. E em frente a este lugar havia uma grande igreja católica, da qual iria aventurar-me a tirar uma fotografia, mas me coube apenas olhá-la. Na rua, alguns fardados que aos poucos iam deformando-se, mas não de maneira grotesca ou repugnante, mas como formas bonitas que iam se transformando num quadro ao pôr-do-sol. Era pôr-do-sol, mas logo tornara-se noite. 

Com a noite tecida despontavam luas de todas as formas ao mesmo tempo, desenhadas num céu pintado. E uma enorme árvore crescia como se para ser fotografada junto às luas a quem eu dei minha total atenção artística. E dentre isso, era Natal e a decoração tomava a forma sangrenta. Talvez uma referência a um filme que assisti recentemente. Eu mesma, no sonho, vim a dizer que era a lua sangrenta.

Fui a praia. E encontrei, como uma gravação, um casal. Fui voyeur dos dois, tentando fotografá-los, mais do que filmá-los como uma lembrança que não é inerte, que se move. Queria-os imóveis, pegos num momento singular, sem que se perdessem entre as ondas do mar. E o homem, ajoelhado, beijava os joelhos daquela mulher que não tinha um rosto, mas eles se entrelaçaram e, de pronto, confundi-me naquela casal, naquela mulher sem nome. 

Eles se perderam nas ondas do mar, talvez junto ao sonho que foi terminando a medida que eu caminhava de volta pra casa, onde ninguém nem notara que eu havia desaparecido ou ao menos me tornado uma outra pessoa. Eu seria sempre aquela garota, daquele lugar. 

vienna billy joel

slow down, you crazy child.
you're so ambitious for a juvenile.
but then if you're so smart, tell me why are you still so afraid?
where's the fire? what's the hurry about?
you better cool it off before you burn it out.
you got so much to do and only so many hours in a day.

don't you know that when the truth is told
that you can get what you want or you can just get old?
you're gonna kick off before you even get halfway through.
when will you realize? vienna waits for you

slow down, you're doing fine.
you can't be everything you wanna be before your time,
although it's so romantic on the borderline tonight, tonight.
too bad, but it's the life you lead.
you're so ahead of yourself that you forgot what you need.
though you can see when you're wrong,
you know, you can't always see when you're right, you're right.

you've got your passion.
you've got your pride,
but don't you know that only fools are satisfied?
dream on, but don't imagine they'll all come true.
when will you realize? vienna waits for you

slow down, you crazy child.
take the phone off the hook and disappear for a while.
it's all right you can afford to lose a day or two.
when will you realize? vienna waits for you

don't you know that when the truth is told
that you can get what you want or you can just get old?
you're gonna kick off before you even get halfway through.
why don't you realize? vienna waits for you
when will you realize? vienna waits for you

quinta-feira, 25 de julho de 2013

o mundo se afasta do mundo

Se o mundo se afasta de nós, eu, certamente, me aproximo do mundo. Na visão conturbada e desvairada de uma crescente sede de vida, escuto risos através dos timbres da louça, dos calcanhares batendo nas quinas das mesas, das inclinações inócuas do horizonte, enquanto desfalece uma manhã ou uma noite. Eu procuro me inflar da posse de ser uma humana comum, como todos aqueles outros, no meio daquelas pessoas. Embora todos os meus pensamentos estejam centrados em mim, no que me importa e eu me distraia, constantemente, tento me aproximar do mundo e sê-lo, possuí-lo, compreendê-lo. 

Eu sei qual é o caminho pra casa. E sei que a solidão assola quem me espera por lá. Mas eu não posso deixar de sentir o mundo a minha volta e sentir que ele chama um nome que não é meu, embora seja. Eu preciso disso, embora não precise e nem acredite em nada... Só me resta ser, ao não ser nada.

Aprender o jogo de Narciso, de Édipo, de Freud, de Pandora. O longo aprendizado que é levado através do corpo, mas especialmente da mente. Levar-me, então, é a tarefa árdua de ser. Pois o ser é inerte, mas o movimento é mutável a uma constante, até que seja freado. Me frear talvez tenha sido um dos erros daquele único que me chama de mulher. Ainda que ouse apenas pela distância coisas enormes e promessas, desejos, não o impede de não ser confiável. Não o impede de ser infiel tanto a si quanto a mim, que não acredita ou apenas não gosta de acreditar. Não sei se por conforto ou por costume de mentir. Ou de ser tão lúcida quanto a verdade de apenas sentir.

Tão lúcida quanto minha própria inabilidade de entender minha própria lucidez cega. 

terça-feira, 23 de julho de 2013

nós amamos estar infelizes

Não direi, pois não é assim que eu penso. Poderia ter dito, porque dissimulo com naturalidade e com certa frequência. Mas a essa eu não poderia ter dito e fiz bem em não dizer. Ao menos ainda não me arrependi de não tê-lo dito. Sabe. A felicidade é algo tão frágil. Ou talvez todas as emoções sejam.

Venho refletindo a vida esses dias, sem o auxílio de livros concentrados de filosofias existenciais ou frases estimulantes ao intelecto cada vez mais recheado de depressões, neuroses e pânicos.

E a cada dia que passa eu só penso que deveria ler mais estes tais livros, sentir meu paladar gozando com os prazeres das comidas e dos cafés, ficar sozinha e assistir filmes, aprender física! Química, quiçá. Mas acabo por apenas pensar em fazer tais coisas que eu deveria estar fazendo, pois sou inerte. Não consigo me mover, consigo apenas escrever e desenvolver uma tendinite aguda. E me corresponder com as minhas loucuras reais (ou imaginárias) esperando ansiosa por suas respostas. Eu as amo demais! E talvez apenas venha a amá-las em vida. 

Tenho descoberto sentimentos horríveis em mim mesma e ainda assim estes não me desagradam, o que me remete a essa indiferença terrível e má. Cruelmente má. Deliciosamente má. Indiferença tão perigosa que me excita. Eu só quero viajar, fumar quantos cigarros eu quiser, dar pra todos os caras que eu quiser, ler uns livros, escrever em cadernos, em toadas dos livros de Nietzsche, beijar estranhos e rir numa língua diferente. Não sei, eu tenho toda essa sede e todos esses baldes d'água que não são suficiente. Nunca sou o suficiente.

Ainda não estou pronta para os discursos da vida. Mas sei que do modo como minha humanidade está caminhando, eu me distanciarei ao máximo da sociabilidade proposta. Me exilar em canções, sambas, talvez, gostos diferentes, livros, descobertas. Usar da obrigação uma paixão de descobrir... Embora eu seja tão distraída constantemente pela minha ansiedade. Veremos onde minha criatividade me leva... se é que me levará a algum lugar. 

you can't paint an elephant quite as good as him



a alma descola do osso

o osso descola da alma
a alma descola do osso
o osso descola da carne
o músculo contrai
espasmo da carne
espasmo na alma
espasmo no osso
alma descolada do osso
osso descolado da carne
alma descolada da carne
carne descolada da alma
grudar-se de novo
só à flor da pele

domingo, 21 de julho de 2013

devolva a minha vida

e morra afogada em seu próprio mar de fel
aqui ninguém vai pro céu

encontro duas nuvens em cada escombro, em cada esquina
me dê um gole de vida

(criolo)

eu através de um relato teu

"Ela ficou me olhando. A música tremulava, os gritos através das caixas de som ecoavam pouco dentro dos meus ouvidos surdos que apenas escutavam os gritos delas. Ela tava em cima de mim, não tinha como não escutá-la. Aqueles ojos rasgados manchados de preto, aqueles ojos demoníacos que me engoliam cada vez que ela esquecia as letras da música e a única coisa que podia fazer era crispar os lábios e olvidar-se de mim. Mesmo que estivesse em cima de mim, com as pernas enroladas nas minhas coxas, ela sempre foi capaz de me esquecer estando por perto. Longe, tão mais. Quase não se recorda de mim, não sei porque ela faz isso. Talvez eu me sofra um pouco pensando nela, mas ela não teria o direito de não sofrer tanto por não pensar em mim!

Não me esqueceria quando Queen ficou na tua boca o dia inteiro, eu e o Freddie Mercury dividindo uma mesma mulher. Mas sempre digo que fizeste aquele teatro todo pra que eu me apaixonasse por você e você não se apaixonasse por mim. Compreendo que ame esse outro cara. As tuas primeiras constelações. Te ponho a dispor desse direito, entretanto, quando estiveres comigo, esteja comigo! E não me canse dos teus teatros jamais! Nunca destes teus ojos. Tão poucos dos teus lábios. Só tente esquecê-lo por um segundo do teu corpo quando eu estiver na tua pele. Depois você pode voltar a ser quem és. Aquela que nunca acena de volta se me encontrares na rua."

sábado, 20 de julho de 2013

eargasms of this marvelous fucking lonely night

each morning I get up I die a little 
can barely stand on my feet 
(take a look at yourself) 
take a look in the mirror and cry 
Lord, what you're doing to me 
i have spent all my years in believing you 
but I just can't get no relief Lord
can anybody find me somebody to love?







someday you will find me
caught beneath the landslide
in a champagne supernova in the sky

desafinados

Tirei uma fotografia de ti. E não me atrevo a vê-la mais... afinal, teus olhos amarelejados sempre me lembraram as constelações. Quando você me ensinava o nome delas e suas posições, embora eu nunca me lembre o nome de nenhuma e tão menos a sua posição. Mas é claro que eu me lembro de como Champagne Supernova ficava na nossa boca o tempo inteiro. Eu, na sua boca. Eu, o seu cigarro, astronomia e Champagne Supernova

Finquei minhas vontades na tua pele com as unhas, com a saudade de atravessar meus dedos nos teus cabelos debaixo daquela tua coberta anti-alérgica. Hoje, sem você, sacio minhas vontades em estranhos, dentre eles colegas de sala ou apenas estranhos que me acham obscura, e por apenas isso, sexy e inteligente. Só que eu sou a única que parece sacar que todos esses rapazes são uma farsa! 

Eu só conseguia pensar nas estrelas imaculadas, enquanto fodia sem querer com aqueles outros meninos. Não poderia pensar, jamais, que você teria tido tanta graça e leveza em não se apaixonar por mim como a que eu tive no medo de não me apaixonar por você. Embora tenhamos nos amado tanto entre uns livros desbotados de Nietzsche, filmes do Terrence Malick, bad trips, primeiras vezes, sangue e tudo o mais a que teríamos direito por sermos apenas quem éramos. 

Por ser quem fomos. Responsáveis por aquilo que cativamos. Presos à obsessão complexa e aniquiladora do âmago mútuo, cobertos de merda até as raízes mais remotas da existência, cientes de toda patologia envolvida quando os corpos rasgados de terror superam a raiva e sussurram para um outro corpo coberto de carne, por cima dos ossos, cheios de sangue, que o amam. Que o desejam. Como a benção de um deus humano, maligno e maquiavélico, como se a melodia rasgada e corrosiva doesse nas unhas que atravessam a sua pele. Você, na minha pele. 

Mas eu tive que te deixar ir, não pude ser tirana o suficiente para não compreender as minhas próprias razões. Não consegui ser cínica, não consegui herdar o teu cinismo! O único amor que não me deixou a beira do desespero. A beira daquele velho discurso que apenas você conhece, porque com você eu tinha a certeza de que nunca chegaria a escrevê-lo ou discursá-lo. 

Era você.
Sei lá, de uma forma, sempre foi você. 

Mesmo que não seja você, nunca e de modo algum. 

sexta-feira, 19 de julho de 2013

vambora

entre por essa porta agora
e diga que me adora
você tem meia hora
pra mudar a minha vida
vem, vambora
que o que você demora
é o que o tempo leva...

ainda tem o seu perfume
pela casa
ainda tem você na sala
porque meu coração dispara?
quando tem o seu cheiro
dentro de um livro
dentro da noite veloz...

ainda tem o seu perfume
pela casa
ainda tem você na sala
porque meu coração dispara?
quando tem o seu cheiro
dentro de um livro
na cinza das horas...

(adriana calcanhotto)

ouse conquistar a ti mesmo

"eu sou vários. há multidões em mim. 
na mesa de minha alma sentam-se muitos, e eu sou todos eles
há um velho, uma criança, um sábio, um tolo. 
você nunca saberá com quem está sentado 
ou quanto tempo permanecerá com cada um de mim. 
mas prometo que, se nos sentarmos à mesa, nesse ritual sagrado
eu lhe entregarei ao menos um dos tantos que sou, 
e correrei os riscos de estarmos juntos no mesmo plano

desde logo, evite ilusões: também tenho um lado mau, 
ruim, que tento manter preso 
e que quando se solta me envergonha
não sou santo, nem exemplo, infelizmente
entre tantos, um dia me descubro, um dia serei eu mesmo, definitivamente
como já foi dito: ouse conquistar a ti mesmo."

daddy nietzsche

quarta-feira, 17 de julho de 2013

o bêbado e as equilibristas

Seu nome não era Carlitos e não nos interessava seu nome, tampouco olhar aqueles olhos cansados e devoradores de virgens. E o timbre de sua voz, repugnante, impondo sua presença asquerosa dentro de nós para que ecoasse suas palavras maliciosas e ecoavam, dentro do esôfago, por todo o café, dentro de todas as pinturas penduradas de Van Gogh que pareciam estremecer e regurgitar pensando nas intenções daquele que não lembrava-nos Carlitos.

Ofereceu-nos propina, dinheiro, coçou o saco como se possuísse um membro rígido dentro das calças, como se o incomodasse alguma ereção que provocávamos sem intenção alguma. E sem intenção fazia-se crime, cumpríamos pena, reduzida, mas ainda assim cumpríamos.

E a comida, o café, os queijos que tínhamos imaginado macios, que derretessem em nossa boca com um delicioso gosto de conforto e sem nata alguma, mas é isso que sentíamos: queijo com gosto de nata, com gosto de gozo masculino e a fétida impressão do estupro.

Só viemos a respondê-lo quando já não podíamos mais ignorá-lo; não podíamos mais evitar querer gritar também com ele, vociferar para ele agressões como se fossemos todos os animais e vivêssemos presentes nessa morte constante pra alimentar os ricos e servir aos cães e porcos.

As equilibristas a brigar com o bêbado, jogando saliva ao vento, deixando que os lábios encontrassem algum jeito de evitar contato, quando ele impunha a nós não só os lábios, mas a sua nebulosidade, suas palavras e gestos que eram características de um infeliz traído que tinha o pau mole e dizia o contrário.

Era rico, dizia, mas se parecia com a menos rica das pessoas daquele lugar, daquele subúrbio e daquele sorriso pérfido que mal durava nos lábios por cambalear entre os cantos da boca e dos olhos que não sei de que cor era e nem poderia saber.

Sabíamos o que não dizer e contávamos que poderíamos ser feliz, pois eu amava um cara que não vinha nunca, mas me desejava com certo amor e eu o amava e dizia e falava e contava que amava para apenas um  único amor conseguir amar. Ela amava e era amada, da maneira doce que falava e olhava e era insegura, mas era mulher, coisa melhor do que eu ou talvez pior e eu não soubesse notar. Mas a gente tentava se notar no meio daquele impropério, como todas as dificuldades de duas equilibristas.

Segurávamos a mão uma da outra, que bom que você não riu de mim enquanto eu nos defendia porque sabe ele era um idiota de pau pequeno. Eu pensei em rir mas vi que era uma coisa séria então fiquei quieta era problema de corno você não viu? Desculpe meu caro mas só falo com caras de pau grande. Cala a boca porque a única coisa que você vai comer hoje é esse sanduiche. 

E ríamos. O caminho inteiro ou foi assim que me pareceu. E quando pegávamos ônibus e contávamos com a ausência daqueles oportunistas para não contarmos amor e paixão à ninguém, pois pertencia à nós os olhos daqueles que não diziam, mas amávamos. Ou eu amava, por não saber apenas desejar. Você desejava, por não saber amar. E assim, bebíamos, cantávamos, dormíamos e amávamos para não ter que enfrentar a corda bamba da realidade. 

segunda-feira, 15 de julho de 2013

a carne chama colada no osso

tô com mania de misturar as línguas. De manhã, vai do italiano ao francês na facilidade da língua. Às vezes repito com Humbert "lo-li-ta" só pelo prazer das três viagens com a língua. Descobri hoje a origem da palavra ansiedade. Vem do alemão angst. Do grego antigo ao latim, angor. Angor procedeu a palavra egípcia ankh, que significa a primeira tomada de ar do bebê. A ansiedade estava relacionada à respiração — ou à falta dela, desde a raiz mais remota. 

Minhas raízes remotas estão relacionadas ao amor. Conto amor desde a primeira falta de ar, desde o primeiro fôlego... amor, talvez isso convença que não existe justiça no mundo. Eu sempre soube que não existia. Talvez se conhecessem meus âmagos pândegos desde as raízes mais remotas, como o significado de um nome, as origens da palavra, entendessem porque me condeno tanto. Embora eu não me condene mais. Sinto que nas invasões de privacidade que cometo, deixo parte minha nas lacunas dos equívocos provocados. Sou feita de amor equivocado... de amor inventado, de amor provocado. Mas é tão bom inventar amor se você não é capaz de senti-lo por qualquer pessoa. Se ele é reservado apenas a quem não é perturbado assim como você. Embora o fenômeno da ipseidade nos mantenha vazios, pois não há ninguém como nós. Há esses miúdos equívocos que ocupam corpos atraentes. É bom atender aos seus desejos, aprender outras línguas. Mas pouco me atiro nessa tentação, pouco deixo que me consuma, pois há muito só quis um beijo a experimentar. Um único a salvar a revolução sangrenta. O enigma a ser solucionado me obriga a manter segredo. 

Uma vez, numa dessas viagens linguísticas, numa das aulas de inglês que eu fazia, perguntávamos do que mais nos havíamos arrependido em vida. "I said: the lies" E acho que aquele bando de estranhos vislumbraram em mim o clímax, a ponta de excitação... reconheceram mistério, aquele segredo que eu nunca conto, aquela desconfiança. O tal do pé atrás. 

Sei não, mas está chegando o momento chave do tropeço. O momento tenso do fechar de cortinas... como se os anos despontassem apenas a vontade de ser amante viva. Deixar de escolher parceiros cegos para os jogos. Arranjar inimigos à altura, como diria Ana. Mas a carne chama colada no osso.

"escuta aqui, sua maluca"

"metade exilada de mim, leva os teus sinais.
 é assim como a fisgada
num membro que já perdi"
...mas a ligação não se completa. Fica caindo na caixa postal e às vezes quando agarro o adoçante e sinto a doçura corroendo os dedos amargos... tento chupar a ponta dos dedos pra ver se cura, pra ver se passa. Eu sabia que isso provavelmente  ocorreria. Mas não me importa você estar nos Alpes Suíços! sei lá, ando muito minha ultimamente, pra aprender que ter saudades é algo saudável. É que gostei muito de ler-te de novo, gostei tanto que respondi só pra te provocar. Só pra você ver que eu tava de sacanagem, porque "você é tão sacana que me cansa".

Eu sou tão sacana que me cansa... é verdade. Mas por que estão todos vocês voltando pra dentro de mim? Desculpe-me, na verdade, não é como se vocês tivessem ido alguma vez. Eu que mandei vocês embora. Acho mesmo que quando me esqueci de vocês, foram sentindo a perda da locação, voltaram pra reivindicar propriedade. São mesmo uns filhos da puta, sabia? Só que eu tanto aprendi a ser. Eu me lembro de você dizer que eu tinha potencial de "biggest bitch of the fucking century" ou era "the biggest bitch of the fucking city", me lembro também daquela vez que escrevi de vocês e sentiu-se eternamente ultrajado, pois o Charles sempre foi mais legal que o Antoine. Embora o Antoine fosse baseado no David Thewlis que é, obviamente, mais bonito que o Bukowski e que pegava a Anna Faris. Mas você sempre quis ser o Gary Oldman, mas esse tinha potencial de "the best fuck ever" e desculpa, mas eu não tava disposta a arriscar fuck nenhuma contigo. Mas quem sabe se você tentar de novo, mas antes, atende a merda do telefone!

Eu descobri o Miguel Fonseca...
e você tinha razão...

tô te esperando pra discutir sobre a vã filosofia,
daddy.

Com amor, 
mommy.

domingo, 14 de julho de 2013

espetacular

olhei enquanto ela se despia
meu deus, ela nua era espetacular!
e segui com os olhos
calcanhares
canelas
joelhos
parei nos joelhos tortos
não podia olhar o resto
e se ela desaparecesse
se eu olhasse suas tetas
ou sua boceta

fiquei então nos joelhos
e agarrei-os
sem jeito,
nunca tinha agarrado um joelho antes
ela riu-se de mim
os seus cabelos roçaram
nas minhas costas quando ela riu
gravei a sensação
sentei-a no meu colo

a ninfetinha começou a se mexer no meu colo
comecei a rir com ela
não sabia o que a acometia
se era o meu pau roçando nela
ou simplesmente a vontade
de foder
que ela tinha era simplesmente
tão grande quanto a minha

(Miguel Fonseca)

elephant (so why would he take me horny?)

Eu quis avisar antes... mas sabes que eu não devia. Ele tava lá, todo envolvido, num envolvimento insano e imprudente. Eu não deveria saber de nada, mas deveria supor, pois eu tenho essa merda de intuição que serviria a momentos como esse. Minha especialidade é a insanidade alheia, tão pouco quanto a minha própria. Mas você tem que morrer, isso tem que parar! Porque, certamente, se não viesse com suas eternas merdas pra cima de mim de novo, com aquela voz que há anos eu não ouço, se você não tivesse me visitado, se você não tivesse respondido aos meus e-mails, se você ao menos não tivesse mantido esse velho número, porque sabia que eu não resistiria a ligar pra você... Mas você supôs tudo isso. Você me pôs nesse jogo há anos atrás e as suas torres foram sendo comidas pela rainha e só sobrou um pobre pião pra te defender. Mas eu deveria supor, pois eu tenho conheço e você é um tremendo filho da puta. Saibas, então, como já sabes a algum tempo, que resolvi me abster do seu tabuleiro e comecei a jogar outro jogo... e sim, estou a ganhar esse jogo. Em segredo? Talvez. Se ele acha que me tens na mão? Sim... crê veementemente nisso, mas apenas porque a fé é boa. Porque a queda do alto é maior. 

Assim como fincar raízes. Mas acho eu que ele desconfia de mim... acho que andei perdendo a prática, sabe? Com os homens. Os homens são diferentes, são prepotentes, egoístas e desapegados aos detalhes. São mais burros ainda envaidecidos, embebidos pela vaidade de ter uma mulher assumidamente apaixonada, jogada aos pés deles. Ainda que seja mentira, eles aceitarão como verdade, pois são felizes quando enganados. Como são inocentes, então, os meninos. Esses ainda não podem jogar e quando, nós, eu e você, dois infelizes solitários, resolvem jogar com eles... Nós fodemos com a experiência infantil deles.

Sabe que nós deveríamos ser punidos. Eu e você. Nós, se me permitir dizer. Ando me rendendo, tendo fraco por confissões. Inclusive, a quem ler... talvez seja uma confissão. O menino provavelmente lerá, se perguntará se é pra ele. E saberá que é. Eu não saberei se leu, afinal. Não me importa também. Minha cabeça anda cheia demais, pois já havia me cansado desse jogo há algum tempo. Preciso de ação, algo que me faça sangrar... talvez eu deva voltar às mulheres? Embora os homens sejam menos entediantes. Talvez algum perigo... Se você apenas me deixasse ser eu mesma! Se você ao menos voltasse e contasse a todos quem eu realmente sou. Quem realmente você é! Que eu fosse punida, cumprisse pena e pudéssemos viajar. Porém, eu sei qual seria sua resposta... Mas eu não te faria perguntas, pois odeio as tuas respostas. Eu não te pediria nada, pois sei que me darias tudo. Eu não te beijaria, pois não quero beijar-te. Eu não iria te pedir pra dormir comigo, pois sei que isso iria me machucar. Mas nós poderíamos recomeçar em outra cidade, como Bonnie e Clyde... talvez.

Não, não há chance de recomeçar com jogo. "Alice não escreva aquela carta de amor" não me impressionou... É delicado, como eu disse. E repetirei. Há tempos que as pessoas deveriam saber de nós. Seríamos épicos, mas você não quer reconhecimento algum... Creio até que está se tornando uma pessoa dotada de bondade. [Risos como num script. Na boca do seu estômago]

sexta-feira, 12 de julho de 2013

delicate

we might kiss when we are alone
when nobody's watching
we might take it home
we might make out when nobody's there
it's not that we're scared
it's just that it's delicate

so why do you fill my sorrow
with the words you've borrowed
from the only place you've known
and why do you sing Hallelujah
if it means nothing to you
why do you sing with me at all?

we might live like never before
when there's nothing to give
well how can we ask for more
we might make love in some sacret place
the look on your face is delicate

so why do you fill my sorrow
with the words you've borrowed
from the only place you've known
and why do you sing Hallelujah
if it means nothing to you
why do you sing with me at all?

so why do you fill my sorrow
with the words you've borrowed
from the only place you've known
and why do you sing Hallelujah
if it means nothing to you
why do you sing with me at all?

(damien rice)

why try to change me now?

he's still
wondering
laughing
complaining

why?
he asks

"because
I can"

that's why
I did it
because I can

that's why
you cry
because you can

that's why
I don't love you,
because I just
can't

terça-feira, 9 de julho de 2013

oh meu deus me traz de volta essa menina

porque tudo que eu tenho é o seu amor.

(nunca pensei que cantaria isso a alguém. tão menos a mim)

demagogia

demagogia 
(demagogo + -ia) 
s. f.
1. Preponderância do povo na forma do governo.
2. Abuso da democracia.
3. Dominação tirânica das fações populares.
4. Discurso ou ação que visa manipular as paixões e os sentimentos do eleitorado para conquista fácil de poder político.

possível
de si pra si
de si ao povo
de mim a

domingo, 7 de julho de 2013

i'll fuck everybody except the guy I love

Corrói esses dias também. Tem me acontecido tantas coisas inusitadas, a consumir-me, o mundo resolveu que iria me esgotar o corpo inteiro também.  Infelizmente, não apenas o corpo. Embora minha paciência não tenha sido ainda testada. Eu tenho pensado demais, escrito demais, vivido demais. Quase não durmo mais, escuto músicas que jamais teria escutado se não fosse por intervenções de alguém. Creio que a melhor pessoa que conheci esses dias tenha sido eu mesma, escrevendo tais besteiras e não me importando se vou soar prolixa mais uma vez, em poesias ou erupções em diálogos e discussões sobre o elitismo, a escória, a polícia, a repressão, o amor, o sexo. O sexo sempre foi um tema que sempre me interessou muito, portanto, se começo a falar, disparo a tagarelice, indo de opiniões simples e diretas como Bukowski ou indo ao lado erótico e feminino de Anaïs Nin. Talvez passe por Henry Miller, um complexado Freud, um pouco de mim. O meu lado sempre foi o que mais tornou real o meu latente interesse pelo tema, mas a isso não me incomodou até vir ao meu conhecimento de bruxa aquela pequena maldição. O tal fato. Me diziam, eu fingia ignorar. Mas seria por isso... E talvez seja bem por isso. De qualquer maneira, a expectativa é maior do que essa. Como descrente do amor, as minhas canções sem rimas, mentiras, acobertariam meus dissabores. Mas seria assim, teria o desamor de foder todos eles, mas não foder com aquele me amasse. Mais capaz ainda de ser incapaz de foder com o que eu amasse, por medo de amá-lo ainda mais. Ou simplesmente por medo de não amar mais por esse mesmo motivo. Mas amor? Meu lado romântico achei que tinha ficado nos poemas, nas rimas, quando escuto Damien Rice e meu corpo se arrepia, meus olhos tremulam e borbulham com as lágrimas. Podes segurar minhas mãos, mas a minha fraqueza em acreditar nelas não supera o meu desespero. Eu posso fingir que acredito nas suas mentiras, sorrir e chorar por você sem sentir nada, não significa, nunca significará. Cansei de fingir. Mas você não se importa. Eu não me importo. Então foda-se. Foda-me, foda ela. Não importa. Só foda. 

eu nem faço o menor sentido,

amor

me deixa pra lá 
que eu preciso
ficar em paz

só te peço cinco dias
ou cinco minutos
vai depender do meu
humor 

talvez cinco meses
ou cinco amores
mas apenas cinco
desses

ou talvez uns seis 


sexta-feira, 5 de julho de 2013

vazio

mas que diabos!
ela disse
e o diabo lhe apareceu
não tinha chifres
nem nada
fumava um cigarro
usava calça jeans rasgada
sorriso chumbado à cara
um bom pau entre as pernas
despenteado
o diabo bebe conhaque,
reparou
ele lhe sorriu três vezes
na terceira levou ela na boca
pagou a conta
ela pagou com a alma
e o diabo ainda se deu bem
com o teu corpo

dia seguinte
ela lembrou que tinha vendido algo
sua alma o diabo tinha levado
ela ficou com o corpo,
as belas coxas,
um cigarro
e uma costela só

pensou se não podia refazer o acordo
e se a sua alma o diabo podia devolver
ou alugar
o diabo então apareceu de novo
e disse que queria experimentar de novo
aquele corpo
e então a alma ele só ia alugar
mas diabo que é diabo não cumpre promessa
e o diabo levou sua alma mesmo assim.

volcano (confesaré mis mentiras)

Não tive tempo de olhar pro céu essa semana. Lembrei-me disso tão subitamente quanto olhar para um post-it e lembrar-se de um afazer, e portanto, eu poderia pregar um monte deles em casa com avisos enormes: veja o céu! visite as estrelas! faça companhia às nuvens. Acendi uma vela pra mim. Em prol de uma oração aos meus feitos demoníacos, bruxos. Tenho certeza agora da minha religião solitária e estou embarcando numa maresia bonita. Quis ter um cigarro pra fumar e um bom vinho pra beber, mas ele levara todos os bons vinhos, os bons livros e os bons fumos. Não que ele não merecesse. E por mim, tudo bem. Mas ele, apesar de diversas tentativas, não poderia levar-me o céu. E deixado, ficado, à cinzenta pasta de aquarela tão perfeitamente desenhada pelos deuses humanos que saudamos, mortos ou não, fiquei à deriva daquele mar indomável. Sob aquela varanda sem grades, sujando os pés descalços com os azulejos manchados de chuva. E ele não precisava de mim, nem o céu, nem o homem. Quem precisa de mim sou eu. Não confie em ninguém, nunca confie em ninguém. Nem nas estrelas. Nem nas nuvens. Tão menos ainda à Lua! Não confie em mim, meu bem. Não confie em mim. No seu décimo oitavo aniversário lhe darei um presente: a verdade. E nós dois seremos enforcados.

(don't hold yourself like that, you'll hurt your knees. I kissed your mouth and back but that's all I need. don't build your world around volcanoes melt you down. what I am to you is not real, what I am to you you do not need, what I am to you is not what you mean to me. you give me miles and miles of mountains and I'll ask for the sea. don't throw yourself like that in front of me, I kissed your mouth your back is that all you need? don't drag my love around volcanos melt me down. what I am to you is not real, what I am to you you do not need, what I am to you is not what you mean to me. you give me miles and miles of mountains, and I'll ask for what I give to you is just what i'm going through this is nothing new. do no just another phase of finding what I really need is what makes me bleed and like a new disease she's still too young to treat. volcanos melt me down, she's still too young. I kissed your mouth, you do not need me) damien rice.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

filha, o que você vai comer hoje?

filha
o que você vai comer hoje
ela perguntou
eu disse que ia comer sangue
ela respondeu:
contanto que não seja o meu.


ipseidades

conversar com livros
as mentiras
o nariz
capacidade de ler num show
capacidade de dormir num show
a inércia
os pensamentos
a massagem
o cantar
o lirismo
os roubos
as marionetes
capacidade de esconder pessoas e fatos
de outras pessoas
capacidade de persuasão
medo de borboletas
medo de palhaços
o olhar
o jeito de dormir e acordar
o jeito de amar
a bagunça
os joelhos
o pé
o DNA
os pulmões
a asma
a bunda
os peitos
as mãos
as gírias
os neologismos
o som dos risos
o som do bocejo
o formato das unhas
o jeito de tocar
a raiva
a bagunça

eu-lírico
e o eu.

minha bagagem sou eu

Lembrei de você que fez-me começar algo de novo e que desfez os meus laços mais frouxos que tinham a máscara mais apertada. Lembrei-me de você e fiquei triste em saber que eras tudo aquilo que sempre quis e que quando se revelou passou a ser aquilo que eu não quero mais. Não por você, mas por mim. E lembrar de você fez a mim um novo desejo de consumo a que venho buscando. Estou conseguindo, confesso, afinal, uma boa bruxa consegue o quer. É que eu nunca tinha querido algo o suficiente em vida e achava que sim e acreditava que as pessoas deveriam me pertencer, pois assim a manipulação e os jogos ficariam mais divertidos. Talvez como Alex, o garoto intelectual e impotente. Impotente. Antes de descobrir-me, não havia magia alguma em mim e meus desejos ilícitos não se completariam, disso não há dúvidas. E embora, agora, lacônica e seca a todos os meus desejos anteriores, descobrir-me faz com que eu sinta mais de mim mesma em mim do que nos outros. Esses outros que eram pedaços de marionetes minhas que andavam por aí acreditando que andavam por conta própria, mas os pensamentos eram meus. E se este rapaz sentiu o que eu queria que ele sentisse é porque eu sempre quis que ele não sentisse. A minha falta de sorte era a de querer algo através de enigmas, enigmas que vejo em pessoas, mas não em mim mesma, sendo que desde o começo sempre fui eu o maior enigma. Um enigma sem solução, pois se hoje amo, amanhã já deixei de amar com a rapidez de uma raposa e a burrice de um sábio. Bastaria conhecer-me melhor, bastaria que eu soubesse que minha magia está nas palavras, está na essência das vozes em minha cabeça (esquizofrênicas ou não). Não está em meus olhos como eu gostava de acreditar, pois meus olhos, descobri, atrapalham tudo. Atrapalham aos rapazes, às moças, pois se os olhos são as janelas pra alma, minha alma é bagunçada e cabe apenas a meus cabides abrigarem as minhas roupas. Minha nudez. Minha mudez. Descobrir dentro de mim esse armário de coisas não me deu o ímpeto de arrumá-las, não, mas também não gostei dessa bagunça. Simplesmente pelo fato de que eu não poderia pedir por promessas a mais ninguém, pois eu nunca as cumpro pra mim mesma. O segredo é aceitar-me como uma completa loucura de renome. Como um rascunho para os meus próximos anos e abandonar a todos esses sentimentos forjados. E deixar que meus pensamentos se consumam por si próprios, sem medo de sê-los, sem medo de pertencer a ele. Entregar-se a si mesmo. E isso me desespera. Se ando triste é por conhecer alguém triste, eu mesma. É por não conseguir ser a pessoa que sorri aos outros. É por não querer mais olhar alguém nos olhos para que não se veja mais a minha tristeza de ter se descoberto. Se não olho mais nos olhos desse ou daquele rapaz não é por gostar demais, entenda. É por não querer que gostem demais. As pessoas gostam de tristeza... E não suplico que gostem de mim. Mas me irrita que você, amante de Kundera perdido, tenha gostado de mim e da minha tristeza ainda mais quando devorei os teus olhos com os meus. Me irrita que todos eles, apesar da bagunça, tenham desviado dos meus olhos apenas porque eles lhe obrigam a coisas ilícitas. Me irrita que possam ver a magia neles quando eu mesma não a controlo. Eu gosto de controle, de domínio e de manipulação. Se sinto ou se não sinto, já não sei bem. É errado pensar que amor é uma fraqueza, a que consigo fingir muitos sentimentos, inclusive este que ninguém sabe reconhecer ou explicar. Tenho mestrado em confusão, tenho diploma nas artes cênicas do fingir. E se alguém me conhece de fato esse alguém não sou eu. Nem você. Nem eles. Talvez nunca ninguém vá me conhecer, se não o fizer de olhos abertos. 

te lo agradezco, pero no

acércate, que a lo mejor
no te das cuenta que mi amor no es para siempre
porque hay noches que se apagan cuando duermes

dícelo a tu corazón
no habrá más fuente de dolor
no digas que no pienso en tí
no hago otra cosa que pensar

acércate un poco más
no tengas miedo a la verdad
y cuando llegue la mañana y salga el sol
tu volverás a mi lado y ya no yo

y ahora vete, vete, vete, vete
vete y pásatelo bien
con nosotros dos
no, corazón

te lo agradezco, pero no
te lo agradezco, mira, niña, pero no
yo ya logré dejarte aparte
no hago otra cosa que olvidarte

te lo agradezco pero no
te lo agradezco, mir, niña, pero no
te lo agradezco corazón, pero no, tú sabes bien que

acércate un poco más
no ves que el tiempo se nos va
da rienda suelta a lo que sientes
si no lo haces mala suerte

porque al final si no lo ves
puede que no me escuches, pero lo diré
que, ay, cuándo salga el sol y llegue la mañana
yo volveré a tu lado, a tu lado con más ganas

y ahora vete, vete, vete, vete
vete y pásatelo bien
con los dos

tengo conciencia del daño que te hice
pero al mismo tiempo
no me siento responsable
de lo que pudiste pensar que fué coraje
no fué nada más que miedo, miedo

te lo agradezco pero no
te lo agradezco, mira, niña, pero no
yo ya logré dejarte aparte
no hago otra cosa que olvidarte

no hago otra cosa que olvidarte, corazón
por la mañana temprano
y luego en la tarde, en la noche
cuándo estoy en el vacío
no puedo na' más que olvidarte, corazón

te lo agradezco
te lo agradezco, pero no
te lo agradezco, mira, niño, pero no
yo ya logré dejarte aparte
no hago otra cosa que olvidarte

te lo agradezco, corazón
pero ya te he dejado aparte
ahora ya no necesito más de ti
dícelo corazón
no me vale que me vengas así llorando
tus ojos lindos, tu cuerpo bello
a la mía, siempre corazón

que cuando salga el sol
yo estare ahí
y ahora vete, vete, vete
vete al vacío

(alejandro sanz e shakira)

sí, amor.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

a menina sem qualidades

"A unidade sempre se precipita 
no caminho da infelicidade. 
Não há nada de novo aí. 
É verdade, 
a humanidade quer que seja assim.


"é muito comum perder a liberdade quando se está procurando por ela."
Tristan descobriu a liberdade preso por ela
O nada não pode ser objeto de uma opinião. Os homens constroem seus edifícios de ideais sobre o nada como se fosse um fundamento. Quando eu contemplo meu rosto no espelho e cismo acerca da minha consciência perguntando -me quem eu sou, sempre fica pra trás alguma parte que não consegue abarcar a si mesmo. Em algum lugar dentro de nós existe esse minúsculo grão que sempre recua quando pensamos que podemos olhá-lo, é ele quem nos olha! Talvez isso seja uma sorte, talvez assim vocês consigam suportar o que quer que aconteça. Mas tomem nota de uma coisa: restará à vocês apenas amar a tudo que existe. Sem limites, sem preconceitos. Existe uma expressão em latim: 'amor fati', significa amar o destino. Aceitar integralmente a vida e o destino, mesmo em seus aspectos mais cruéis e dolorosos. Eu desejo o melhor pra todos vocês."

"A vida só pode ser jogada se a gente abrir mão de qualquer resultado exato."
"O seu problema é confundir o nada geral com o teu vazio."
"Ninguém conseguiu ensinar essa pequena geniazinha que nem todas as crianças são burras."

"Ninguém conseguiu descobrir da onde aquela pedra veio, como ela foi parar ali… Um exemplo da resistência contra toda e qualquer forma de conhecimento."

"Ser onisciente não significa carregar no cérebro um arquivo gigantesco de fatos. Significa saber onde buscar a informação."

"Se você acredita que a vida se trata de uma linha desenhada em uma pista plana você fica calmo, seguro. Mas se você pensa que tá em uma linha que divide dois abismos você começa a tremer. Eu tenho um defeito de nascença, eu nunca esqueço o abismo. Não sei se isso é demoníaco, divino ou humano."

"Um assassinato pode ter tantos motivos quanto um ato de bondade."
"Qualidades nenhuma, pelo menos nenhuma humana. Defeitos também nenhum, pelo menos nenhum desumano."

"X era novo na escola e foi contemplado com uma cadeira nas proximidades da porta. Y habitualmente sentava nessa cadeira e quando seus olhos se encontraram Y pensou ainda bem que hoje lavei meu cabelo, pois assim Y ficava um pouco mais bonita. Y observou que Z observava como ela observava X. E assim surgiu um delta de eixo de olhares."

"Seus dedos se encaixam perfeitamente nas minhas costas. Parecem ter crescido ali como asas de anjo. Eu queria cortar suas mãos e ficar com elas nas minhas costas pra sempre. Mas não sou burra pra acreditar nessas mãos, não acredito em nada."

"Mas ainda que destinos felizes e tragédias já tenham sido tantas vezes contadas em livros, a gente apenas tropeça por acaso em coisas reais. Talvez tenha ocorrido um engano nos cálculos antecipatórios da humanidade, um DNA trocado. E eis que agora Alex possui a resposta do enigma que eu via em você."

"As coisas são como são, o sentimento humano não é justo por natureza."


"Aconteça o que acontecer no futuro, nunca faça com que eu perca meu tempo."
"Faça o que quiseres, mas faça de olhos abertos."

Tem que ser lido, tem que ser visto.
http://papodehomem.com.br/o-que-a-menina-sem-qualidades-tem-pra-mostrar-de-verdade/ http://mtv.uol.com.br/videos/programas/a-menina-sem-qualidades/making-of

minha única vaidade

"você não pode ser"
E desde que eu me esvaí de mim, a minha vaidade tornou-se livre e foi procurar agarrar-se em alguém ou alguma coisa que não fosse a mim, pois a isso já não me apetecia estar sozinha. E rodei o mundo sentada, espalhando nas áreas remotas navegantes coleções de fotografias e inteligências, frases eternas de grandes jovens que jamais serão nada além do que já foram um dia. E falando em navegar, meu querido navegante de sotaque literal, a quem do ódio surgiu-se um amor leve, livre e louco pra minha vaidade. E serás assim, cheio de repressões à tua mania política revolucionária quixotesca, cheio de repressões às minhas manias de provocar-te com "frases eternamente adultas demais para o seu próprio bem". E que essas sejam nossas únicas repressões, pois já presos estamos a situação de finito, de que nunca irás, como eu nunca irei, atravessar mar algum pra ir te ver e nem você pra vir me ver, porque nenhum de nós quer se ver. E que precisarei beijar a mais algumas bocas para imaginá-las como a tua. Mas talvez, quem sabe, se por loucura, leveza e liberdade você não diga de novo, me prometa que no seu quadragésimo aniversário você irá me procurar e irei te pertencer. Mas a nada alimento tais idílios, eu os acho apenas bom para mastigar, nunca para engolir. Agradeço apenas o fato de poder me salvar de mim, salvar minha vaidade de remoer mágoas e de me forçar a coisas que eu jamais seria forçada se não fosse ao próprio colonizador tirano e sedutor. Me renderia, mas não me importo com isso... sabe, faremos o que quisermos, mas faremos de olhos abertos. Essa é a última vez que falo de você.

"e resolver isso à homem"

você disse que vinha
resolver isso à homem
e me ri do seu sotaque
mas lento 
você ficou quieto
desejo
calou-se do outro lado
teus homens atravessaram o mar
pra vir nos colonizar
então venha cá
navegante niilista 
desvendar o corpo
daquela que você diz amar

terça-feira, 2 de julho de 2013

eu achei que fosse só eu

mas você é assim também.



gosto de você,
mas às vezes eu desejaria
que você não fosse assim
também
que nem a mim
porque assim você
me beijava logo
mas você não sabe
nem como dizer um 'oi'
mas já me odeia
por ser aquilo que você
quer e não pode ter

eu te odeio
porque você é assim
também. 

eu ainda não assisti pulp fiction

estavámos eu
ana e bea
estávamos eu
ana, bea e a pipoca
estávamos eu
ana, bea, a pipoca e a tequila
estávamos eu 
ana, bea, a pipoca, a tequila e o sal
estávamos eu
ana, bea, a pipoca, a tequila, o sal e o limão
estávamos eu 
ana e bea
as xícaras cheias na mão
estávamos eu 
ana e bea 
conversas foscas
e bêbadas
todas fomos parar no chão
estávamos eu
ana e bea
andando de mãos dadas na escuridão
estávamos eu 
e ana 
no colchão
bea olhava de cima
rindo 
mas na vida 
estávamos eu 
ana e bea 
dançando malucas 
sempre juntas
apesar de todos os desencontros 
do mundo. 

a apaixonante leveza do ser

Tive um sonho esses dias e percebi que o meu maior medo sempre foi o próprio medo. Não que eu seja uma corajosa indômita que vem se espantando por ser pega à inconsciência do sonho. Mas, veladamente, o meu medo sempre foi ter medo, embora não um medo qualquer, como poderias imaginar, já que se chego a revelá-lo não há de ser por pouco. Pouco sempre me pareceu tanto, então... Os meus dramáticos desejos, embora grandiosos e até bonitos, cheios de poesia e coragem, eram poucos a comparar a paixão que eu usava naquilo que nunca tinha sido o que eu queria de fato.

Peguei-me a rever os meus próprios atos, minhas próprias paixões que nunca foram paixões de fato, a quando derramar-me de amor, derretida que nem manteiga deambulando na boca após abocanhar um pão pela manhã. Eu alimentava e era alimentada por coisas tão poucas, por migalhas embebidas no sal como se aquilo me consumisse, embora eu sempre consumisse mais do que a quem ou ao que devorava. E não me importava acharem que era a dominada, quando meu papel secreto era o papel de enlouquecê-los, pouco a pouco, sob o meu domínio, porque fora dele eu já não os queria mais... Eu já não os queria mais.

E o medo, sob meu domínio, já não era mais querido. Porém, o medo é uma besta feroz e infiel. E o meu medo, por medo, me fazia ser apenas mais uma besta feroz e infiel à si mesma. Às vezes, durante algum tempo, esquecia dessa minha covardia pelo medo (que esquecer da minha covardia sempre fora o meu ato mais covarde). E não via mais motivo pra ter tanto medo... até que ele me tomava e me obrigava a senti-lo. Tudo isso se desenrola na vida, nos meus passos, nesses que sempre tropeçam na rua e me fazem distraidamente alegre e cambaleante. Não me importo disso, nem me importo de não ter crescido o suficiente, nem de não ser elegante, não me importa ter amado de verdade e depois já não amar mais, não me importa mentir e manipular, não importo-me mais se nem a quem me conhece não há nada a conhecer, não me importa o que eu amo, não importa o que eu penso e já não importam minhas qualidades se ao mundo escolherem os meus defeitos. Os meus medos, minhas covardias, meus declínios, quedas e falhas. Portanto, declaro-me culpada de todos os meus pecados, pois sim: eu menti, eu trai, eu falsifiquei, eu contei o que não devia, eu olhei dentro dos olhos deles, eu olhei dentro dos meus olhos, eu pensei! Por deus, eu pensei! E que pecado é maior do que o pecado de pensar?

Ah...
O amor, meus queridos, é bem pior. Ele remete ao pecado do sexo. E como engolir os prazeres que o amor proporciona dentro de si? Como não se perder entre os suores envaidecidos da falta de fôlego, como ignorar as sensações das coxas mornas repousando sobre as coxas quentes e não perder-se entre os prazeres de um beijo com gosto de perigo, com gosto de gosto de gente. Como ignorar o que as entranhas sentem com um doce adeus e um amargo começo? Ou estaria eu, mais uma vez, tão confusa quanto à óbvia utopia dos pessimistas? Dos existencialistas? Eu deveria me calar ou deveria gritar, para que ninguém ouça, para que me silencie outrem, a quem é encarregada a função de calar-me com suas borrachas de ideologias?

E como se eu me olhasse no espelho, após o sonho, e não me visse mais. Fichada na minha própria liberdade que só por chamar-se assim já se perdeu dentre os pedaços de pão. Mas como? Se a liberdade, Sancho, não é um pedaço de pão. Eu jurava que era. E juro até hoje, creio. Mas as minhas crenças já se revertam em quase nada. Sendo "o nada" uma crença vazia. E se pudesse libertar a algo ou a alguém seria a mim, mas se já não apareço no espelho, como poderia libertar algo que não reflete, que não existe, que não produz efeito algum, que não tem cor, nem gosto, nem cheiro, nem forma, nem sombra... Ah, seria amar a deus um conceito ruim? Não, acho que o que chamam de deus tem algo a ver com energia ou sei lá. Seria uma espécie de liberdade à crença dos outros? Libertar deuses das suas inexistências míticas? Ou das suas próprias existências articuladas e poderosas? Dar a um ser sem forma um poder é ser poderoso. E se já não tenho deus e nem uma crença, portanto, já não tenho poder algum, nem o da fé. Ou da esperança.

E volto a lembrar-me do meu sonho medroso, que começou a toda essa melodia triste que não poderia ser de Chopin, o que até me entristece. É que eu temia ao que eu não era, também. Eu temia a essa força inexistente, pois eu não a via, mas nela eu cria com toda a força do medo. E é isso que move as pessoas a buscarem seus deuses... O medo, a incerteza, a imperfeição dos próprios reflexos. E embora elas busquem deuses para buscarem a compreensão, são incompreensíveis por si só... Pois de nada esse paradoxo pode ser chamado a superficial, mesmo que não tenha nada de complexo. 

Tive um sonho esses dias e percebi que o meu maior medo sempre foi o próprio medo. Não que eu seja uma corajosa indômita que vem se espantando por ser pega à inconsciência do sonho. Mas, veladamente, o meu medo sempre foi ter medo de mim mesma.

garganta

minha garganta estranha
quando não te vejo
me vem um desejo
doido de gritar

minha garganta arranha
a tinta e os azulejos
do teu quarto, da cozinha
da sala de estar

venho madrugada
perturbar teu sono
como um cão sem dono
me ponho a ladrar

atravesso o travesseiro
te reviro pelo avesso
tua cabeça enlouqueço
faço ela rodar

sei que não sou santa
às vezes vou na cara dura
às vezes ajo com candura
pra te conquistar

mas não sou beata
me criei na rua
e não mudo minha postura
só pra te agradar

vim parar nessa cidade
por força da circunstância
sou assim desde criança
me criei meio sem lar

aprendi a me virar sozinha
e se eu tô te dando linha
é pra depois te abandonar.

(ana carolina)